{Resenha} Control Z! Nossa Maman e a trama hacker! - Hospicio Nerd

INHAIMMMMM TUXOS E TUXAS VAMOS DE CONTROL C, CONTROL V????

Adoro quando nossa amada Maman traz a modernidade do mundo tecnológico para as telinhas e nos deixa completamente perplexos com a ousadia de uma trama que parece ficção, mas não passa de pura realidade! A 1ª temporada da série mexicana que estreou no dia 22 de maio, enfoca a invasão feita por um hacker comprometendo a vida de estudantes e funcionários de uma escola. A criação e autoria conjunta e impecável dos showrunners Miguel García Moreno, Adriana Pelusi e Carlos Quintanilla não deixa a desejar, não tem falhas e prende nossa atenção sem nos deixar cair em uma monotonia pelo ambiente tenso criado pelo enredo em cima dos dramas escolares vividos pelos personagens.  A direção de Bernardo De La Rosa e Alejandro Lozano demonstra a qualidade do trabalho feita com os atores e produtores que trouxeram um resultado muito satisfatório e a prova disso é que a audiência está se mantendo entre os Top 10 da plataforma. A aposta nos materiais estrangeiros tem sido um acerto nessa quarentena ou até mesmo antes da pandemia, o público tem gostado e se envolvido com intensidade nos temas apresentados.

O elenco brilhante do projeto traz atores jovens muito bem preparados ao lado de atores renomados do país, formado por Ana Valeria Becerril, Michael Ronda, Yankel Stevan, Zion Moreno, Luis Curiel, Samantha Acuña,  Macarena Garcia, Fiona Palomo, Andrés Baida, Patrício Gallardo, Iván Aragón, Xabiani Ponce de León, Patrícia Magueo, Rodrigo Cachero, Rocio Verdejo, Mauro Sánchez Navarro, Lidia San José, Thanya López, Renata del Castillo, Arturo Barba, Kariam Castro e Ariana Saavedra, eles realizaram um trabalho incrível. Ana Valeria conseguiu dar vida a personagem Sófia de tal forma, que desde o primeiro episódio você já simpatiza com o jeito “introspectivo” da moça que além de demonstrar uma inteligência mais elevada, traz um comportamento observador impecável de análise que a torna uma espécie de detetive. Associada a Javier interpretado por Michael Ronda, a jornada se torna mais interessante, o ator consegue com sua atuação nos conquistar com uma imagem de mocinho que nos faz torcer para que ele e Sófia fiquem juntos. Acredito que a direção de elenco foi tão impecável nas escolhas, que ao observar o nível de interpretação do grupo, temos a sensação de que os papéis foram escritos especialmente dentro dos perfis de cada um deles. E quero também chamar a atenção para o desempenho de Patrício Gallardo como Gerry (Gerrardo) que simplesmente brilhou como o considerado “vilão” da esocla e ao mesmo tempo nos leva a questionar o que há por trás desse comportamento tão agressivo demonstrado.

No El Colegio Nacional, a vida muito diversificada dos seus alunos muda quando um hacker através de um perfil começa a revelar os segredos mais íntimos de alguns alunos bem conhecidos. Sófia, uma adolescente que perdeu seu pai e já tem problemas familiares suficientes para afetar sua personalidade, além de claro ser também observadora, extremamente inteligente e com uma percepção aguçada, se emprenha em descobrir quem é a pessoa por trás das revelações tão agressivas que vira o mundo dos personagens de cabeça para baixo. Ao seu lado de Javier, o novo estudante filho de um jogador de futebol famoso e que fica atraído por ela, Sófia inicia uma trajetória intensa analisando fatos e informações na tentativa de revelar quem está por trás dos últimos acontecimentos. Daí em diante com a abordagem de temas atuais, entre eles transfobia, bullying virtual, verbal e físico, transtornos mentais, uso de drogas e consumo alcólico e envolvimentos comprometedores, Control Z com seus oito episódios deixa bem claro que, com exceção das histórias de Isabela, Luis, Alex e Maria que parecem ser vítimas, Gerry, Pablo, Raul e Natália merecem a invasão de privacidade e a revelação de seus segredos para todos da escola. Além disso, o diretor e alguns professores também são envolvidos na trama, que com um perfil progressivo mistura a vida deles com as dos alunos mostrando de certa forma uma realidade bem possível nas instituições de ensino atuais.

A produção ficou por conta de Alexis Fridman, Alejandro Lozano e Fernando Rovzar e a empresa que assumiu as rédeas foi a Lemon Studios, essa equipe reunida conseguiu através do uso de uma tecnologia mais avançada, tanto na edição e cortes das cenas, quanto na aplicação dos objetos de cena, um resultado excelente. A trilha sonora é muito boa e parece ter sido estudada para cada momento vivido pelos personagens em seus dramas particulares. Outro ponto positivo são as locações das gravações, desde o colégio até as residências de cada personagem, trazendo imagens com cores fortes e claras, evitando os ambientes mais obscuros e mostrando dessa forma uma realidade que se aproxima do estilo de vida atual. Figurinos despojados, marcas caras vestidas pelas consideradas “patricinhas e mauricinhos”,  maquiagem e cabelos joviais e padronizações para os personagens mais velhos mostra claramente a diferença de gerações dentro da escola. O destaque vai para a forma utilizada com efeitos especiais para demonstrar a repercussão das informações pela internet que causa o comprometimento dos personagens dentro do enredo, num lance de projeções cheios de informações que dão a impressão de estarmos acessando os perfis individuais de cada um dos alunos e funcionários dentro da escola, como se estivéssemos usando um óculos 3D.

Nos lembrando do mesmo estilo da famosa Gossip Girls, a série tem um enredo baseado no tipo de trama só que bem modernizada e escrita. O drama, que apesar de os roteiristas terem se esforçado para humanizar e mostrar as razões por trás de cada ação dos jovens envolvidos nos atos de crueldade e até mesmo de injustiça, sabemos que nem todos vão simpatizar com os que praticam as demonstrações transfóbicas, de humilhação pública, agressões injustificadas, invasões de privacidade e claro os intensos preconceitos sociais. Assim como fenômeno “Thirteen reasons why”, a saga “Control Z” tem tudo para ser a nova febre do streaming e já está sendo assistida bastante pelo seu público já que traz todos esses temas atuais que sensibilizam a todos nesse momento mundial tão delicado. Com certeza temos que esperar a já aprovada 2ª temporada que deve definir a mensagem real dessa super produção mexicana de alto teor psicológico para a sociedade. Nós do Hospício super indicamos e queremos saber sua opinião Tuxos e Tuxas, então vai lá assiste tudo e vem aqui deixar seu comentário! ADOROOOOO #CHOCOBJS #FIQUEEMCASASEPUDER

Deixe seu Comentário

Este artigo não possui comentários