{Resenha} Cursed - Eu serei a sua espada! - Hospicio Nerd

Hello Peoples!

Vamos Agora falar de Cursed, a recente série lançada pela Netflix, com sua primeira temporada já disponível, desde o dia 17/07 (Sexta-feira). Mas pode respirar tranquilo(a) e ler sem medo, pois não darei spoiler (mesmo com muita vontade). Deixando claro que tudo o que for dito aqui, não é pra determinar se deve assistir ou não, mas só deixar claro fatos sobre a série.

Foto Katherine Langford

Netflix / Divulgação

Baseada no livro de mesmo nome de Frank MillerTom Wheeler. Contendo exatamente 10 episódios com duração entre 47 – 59 minutos cada, e Dirigidos pelos mesmos escritores com a ajuda de Zetna Fuentes. Elenco formado por: Katherine Langford como Nimue, Davon Terrell como Arthur, Daniel Sharman como Monge Chorando, Gustaf Skarsgard como Merlim, Shalom Brune-Frankin como irmã Igraine/Morgana, Peter Mullan como Padre Carden, Sebastian Armesto como Uther Pendagron (O ditador) , Lily Newmak como Pym. Cursed – A lenda do lago, trata-se da história de Nimue, que com uma espada lendária embarca em uma aventura para entregá-la ao Merlin com a companhia de uma mercenário, Arthur.

Essa série, é uma história das lendas aturianas contados de acordo com a visão da Dama do lado, , Nimue. Ela trás pautas preocupantes e bem abordadas, em que, de certo modo, se aborda ainda hoje, que são Guerras desnecessárias, fanatismo e terror religioso. Nela também se aborda sobre superação, liderança e firmeza em escolhas. Apesar de certos cortes mal elaborados, se aborda perfeitamente sobre o percurso vivido pela Dama do lago e sua visão de como tudo aconteceu.

Foto Katherine Langford

Netflix / Divulgação

Nimue é uma guerreira adolescente após a morte de sua mãe, ela encontra um parceiro, Arthur, em uma busca para encontrar Merlin e lhe entregar uma antiga espada. Ao longo de sua jornada, Nimue se tornará um símbolo de coragem e rebelião contra os terríveis Paladinos Vermelhos e seu cúmplice, o Rei Uther.

Com um gráfico bastante colorido e vívido (Até demais) e mudanças de cenários formados por animação semelhantes com as pinturas renascentistas, dando aspecto de minissérie. Suas trilha sonoras bem colocadas, mas algumas interpretações um pouco “sem sal” , dramas exagerados  e encaixes de cena sem contexto fundamental. Sobre vestimentas, são bem colocadas para a época, o azul de Nimue fazendo referência a cor do lago, é esplêndido.

Foto Gustaf Skarsgård

Netflix / Divulgação

Com certeza não é o melhor trabalho de Frank Miller, ela gruda nossa atenção, mas o próprio roteiro é inimigo da série, com muitas pontas soltas. A história se perde na construção da protagonista, sendo uma série poderosa, faltou empenho na mesma. É bom, mas não ótimo. A falta de sincronização e coordenação em suas ação baixam sua qualidade. No seu roteiro, por mais que ocorra equilíbrio entre os assuntos abordados, como o fanatismo, a vontade de sobrevivência, luta pela coroa, são bem separados sem nós trazer confusão, mas nada muito admirável, deixou a desejar a emoção que se dá nesses momentos.

Mas pelo contexto ela é uma série interessante de assistir, principalmente para quem gosta das história de Arthur. Agora sem mais ou vou falar/escrever mais do que deveria.

Vem na Netflix, põe tua armadura e vamos embarcar nesse navio em rumo “A lenda do Lago”.

Deixe seu Comentário

Este artigo não possui comentários