{Resenha} Despedida em grande estilo! Aposentadoria muito louca! - Hospicio Nerd

INHAIIIIIIMMMMM TUXAIADA APOSENTADA! CÊS TÃO BÃO????

A vida é boa e tem que ser bem vivida, é assim que o filme “Despedida em grande estilo” chega na nossa plataforma preferida nessa quarentena, apesar de ter sido lançado em 07 de abril de 2017! O diretor Zach Braff arrasou nas escolhas e no trabalho com esses monstros do mundo artístico norte americano, utilizando a história de Martin Brest com roteiro assinado por Theodore Melfi. Como sempre a WARNER BROS como distribuidora no Brasil fez o certo liberando esse sucesso das telinhas para nosso deleite em casa. Do começo ao fim do filme uma boa atuação te prende de uma maneira tranquila na trama que ficou muito bem feita, com aquele toque “sentimental” que faz com que você já se apegue ao primeiro personagem, Joe, que nos conhecemos bem, já que o próprio já foi o mordomo Alfred em pelo menos três dos filmes da franquia do nosso herói “morcegão” Batman. Só com esse começo já da pra entender como o nosso amado diretor, que esteve presente em Oz mágico e poderoso dando vida ao personagem Frank e também foi o Dr. Jonathan Dorian em The scrubs, se empenhou tanto para colocar tudo no lugar e na hora certa nesse projeto tão irreverente e emocionante. Podemos considerar que é um privilégio poder assistir mais um sucesso garantido no mundo dos streamings!

Fonte: Divulgação / Netflix

A direção de elenco de Avy Kaufman traz grandes nomes e mostra que a experiência é quem faz o filme, é assim que Morgan Freeman, Michael Caine, Alan Arkin, Ann-Margret, Joey King, Matt Dilon, Christopher Lloyd, John Ortiz, Peter Serafinowicz, Kenan Thompson, Siobhan Fallon Hogan, Maria Dizzia, Josh Pais, Jeremy Bobb, Melanie Nicholls-King, Doris McCarthy, Jeremy Shinder, Seth Barrish e Ashley Aufderheide garantem um excelente entretenimento. Caine foi brilhante em sua interpretação, sem pressa e com muita maestria ele conduz todo o enredo e se une a Freeman e Arkin de uma maneira tão harmoniosa que mesmo sugerindo uma ideia “fora da lei” ele consegue fazer com que o público prenda sua atenção totalmente nos problemas enfrentados pelos nossos amados “velhinhos”. Morgan acrescenta mais força ao núcleo com seu estilo impecável de atuar, a representatividade do ator tem tanta influência nas produções que só de citar seu nome as pessoas nem discutem do que se trata o filme, apenas dizem: “nossa preciso assistir”. Mas eu não ia deixar de comentar a presença do nosso tão admirado Lloyd que interpreta um daqueles velhinhos que não tem os parafusos no lugar e que arranca boas gargalhadas no desenrolar dos fatos. De uma maneira ou outra você se depara com excelentes atuações que deixam bem claro que a idade não impede ninguém de ser feliz ou de realizar feitos considerados impossíveis aos olhos dos mais jovens.

Fonte: Divulgação / Netflix

Quando Joe (Michael Caine) vai ao banco para tentar negociar a hipoteca da sua casa que parece ter o valor duplicado, além do gerente da conta parecer um daqueles funcionários que só se preocupa em vender um plano temporário para se dar bem, ele se vê em meio a um assalto que pela sua visão pareceu ser muito bem elaborado dando a impressão de que realizar um ato daqueles só requer um certo planejamento, o já “senhor de idade” sai do estabelecimento com um brilho diferente no olhar. Ao retornar para sua vida pacata, mesmo preocupado em perder sua casa, ao lado de seus amigos de décadas Willie (Morgan Freeman) e Albert (Alan Arkin), que também sofrem com sérios problemas financeiros, em plena mesa de um café da manhã ele anuncia que pretende assaltar um banco. Os grupo de idosos, depois de cada um aparecer com seus problemas decidem se rebelar contra a exploração dos bancos e, antes de tudo, resolvem fazer uma experiência de pequenos assaltos para tentar ganhar experiência no ramo. Eles se unem a Jesus Garcia (Jhon Ortiz) e começam a planejar o grande ato de suas vidas para garantir sua aposentadoria negada pela empresa que prestaram serviços por mais de 30 anos. Daí em diante, um enredo muito bem escrito e executado vão te levar a entender o que acontece quando se une a experiência com os recursos modernos de hoje em dia.

Fonte: Divulgação / Netflix

 A produção de Donald De Line, Tony Bill e Bruce Berman, associados a New Line Cinema, Metro Goldwyn Mayer (MGM), Warner Bros e Village Roadshow Pictures Asia honraram suas competências contando com a excelente trilha sonora de Rob Simonsen que diga-se de passagem nos lembra muito um daqueles filmes de ação bem frenético, uma fotografia bem iluminada e com cores vivas de Rodney Charters, a cenografia de Anne Ross traz boas locações, desde o banco até as residências dos clamados protagonistas, não esquecendo de mencionar as casas de repouso que abrigam os amigos dos três amigos e para completar os objetos de cena que podemos dizer que são uma mistura do passado com o presente. Não para por ai a excelência da execução quando nos deparamos com o figurino adequado de Gary Jones para todos os momentos em cada um dos ambientes, como é o caso da garçonete da pequena lanchonete que eles sempre se encontram. Avaliando bem, os cortes não deixam os famosos furos de informação já que foram muito bem elaborados dando aquele ar de filmes de espionagem com imagens de quadros sobrepostos numa sequência de transições muito bem feitas. A sensação de realismo misturado com ação, em uma velocidade menor devido a idade dos personagens faz com que seja uma boa pedida para quem gosta de filmes que misturam comédia com um certo drama senil.

Fonte: Divulgação / Netflix

A despedida ficou bem feita, tem horas que temos a sensação que os três atores estão fazendo realmente o último filme de suas carreiras devido a quantidade de acontecimentos constrangedores que o enredo os coloca. Mesmo com uma mensagem um tanto quanto diferente, tratando-se da decisão de três senhores distintos em assaltar um banco, não denigre a imagem deles, já que não é uma instituição qualquer e sim aquela que parece estar prejudicando e levando vantagens em cima deles. A proposta final é surpreendente e nos presenteia com momentos hilários, emocionantes e muito carisma. É realmente em grande estilo que a produção conquistou seu público, não tem uma pessoa que assista e diga que não é bom! Eu confesso que no final de tudo me vi aplaudindo a conclusão como se estivesse sentado em uma platéia de teatro, tamanha competência de todos os envolvidos no projeto! Essa é a dica da semana na Live do BLITZ Pipoca, corre para conferir e vem aqui me contar o que você achou heinnnn! ADOROOOOOO #CHOCOBJS #FIQUEEMCASA #BLITZPIPOCA

 

Deixe seu Comentário

Este artigo não possui comentários