{Resenha} Ghost of Tsushima - Viva um filme samurai na pele. - Hospicio Nerd

O desespero cria demônios nos melhores homens.

E é assim que no dia 17 de julho de 2020, chega para nós Ghost of Tsushima, desenvolvido pela Sucker Punch Studios e publicado pela Sony, exclusivamente para PlayStation 4

Rev. Dr. Bradley D Meyer – PlayStation.Blog BR

O jogo se passa durante a primeira invasão Mongol ao japão durante o shogunato kamakura, os mongóis iniciaram sua invasão pela ilha Tsushima, atracando na praia de Komoda e a história já começa nesse primeiro momento. Assumimos o papel de Jin Sakai, o último representante do clã Sakai de samurais, sobrinho do jito, uma espécie de líder feudal, da ilha, o Lorde Shimura. Durante a primeira invasão, os mongóis usaram de covardia e técnicas sujas e massacraram praticamente todos os samurais de tsushima, com Jin e seu tio sendo os únicos sobreviventes. Ao recobrar sua consciência, Jin descobre que seu tio foi capturado e começa uma campanha para procurar aliados para resgatá-lo e se vingar do líder inimigo, Khotun Khan, em nome de todos os samurais, mesmo que isso signifique agir em desonra para cumprir seus objetivos.

Indo na contramão das soluções mais recentes para jogos inspirados na cultura japonesa recentes, como Sekiro e Nioh, Ghost of Tsushima não trilha o caminho da mitologia, apesar de termos várias referências à mitologia japonesa, como amuletos com nomes de deuses e mitos, a história e ambientação do jogo em si são muito mais pé no chão, com foco em proporcionar uma narrativa samurai bem mais realista e credível do que os outros jogos que citei, levando a comparações diferentes, é como se estivéssemos jogando um Assassin’s Creed na época dos samurais.

Sony treated us to 8 minutes of Ghost of Tsushima and it was ...

O combate do jogo é ditado por posturas, você pode assumir 4 posturas diferentes, sendo cada uma delas mais efetiva com um tipo de inimigo diferente. Ao assumir uma postura vantajosa contra um inimigo específico, você pode quebrar a guarda dele muito mais facilmente e atordoá-lo para matá-lo sem muitos problemas. A diversidade de inimigos não é muito grande, porém a medida que você avança, você enfrentará grupos de todos os tipos de inimigos ao mesmo tempo e se verá dançando entre posturas e bloqueios para derrotar uma legião inteira, o que pode acabar sendo bem difícil, porém bem recompensador quando você finalmente consegue.

Existem outras alternativas também, como armas sorrateiras para derrotar inimigos sem nem mesmo ser visto, como zarabatanas com dardos com efeitos diferenciados, kunais, flechas e até mesmo a boa e velha faca silenciosa. O combate stealth não tem a mesma profundidade do combate action, mas é uma boa opção para aqueles que estão tendo certa dificuldade em enfrentar os inimigos em grupos grandes ou mesmo que prefiram assumir o manto do fantasma.

Jin também tem uma barra de determinação que pode ser usada para efetuar técnicas especiais, se curar ou até mesmo ressuscitar algumas vezes, contanto que ainda tenha determinação para isso.

Ghost of Tsushima adiado para agosto?

O jogo apresenta um mundo aberto enorme com 3 sub-áreas que já são grandes por si só, repletas de side quests e coletáveis espalhados que te recompensam muito por explorar, como por exemplo: fontes termais que aumentam sua vida máxima, estandes de bambu que aumentam sua determinação, bases mongóis que te dão mais pontos de habilidade para desbloquear novas técnicas, santuários que te dão amuletos que aumentam certos atributos de Jin, novas opções de customização, dentre outras coisas. Foi um dos jogos com a exploração mais legal que já vi, não existe nenhum mini mapa, apesar de ainda seguir o modelo clássico de jogos de mundo aberto onde você segue um trajeto no mapa como se fosse um GPS, ele não te passa essa impressão, o que te guia até seu objetivo é o vento, não existe mini-mapa, não existe um ponto na interface te mostrando a todo momento para onde você deve ir, existe apenas o vento, movendo tudo no cenário lindamente te guiando até seu objetivo, é muito imersivo e permite que você preste muito mais atenção nas paisagens do jogo, que são de tirar o fôlego, não seria exagero dizer que Ghost of Tsushima tem um dos mundos abertos mais bonitos dos videogames, cheio de cor, contraste e vida.

Ghost of Tsushima is a Surprise From Sucker Punch, But a Welcome ...

A ambientação samurai é incrível até mesmo na trilha sonora, com as clássicas flautas e tambores que complementam a ação de forma incrível, é como viver um filme samurai,  inclusive com a opção de ser jogado em preto e branco.

Mas com o gênero de mundo aberto, vem o mesmo clássico problema, o jogo acaba sendo muito repetitivo, para as pessoas que gostam dessa exploração e combate, é um prato cheio, mas quando você vai tentar cumprir com todos os objetivos, acaba por começar a ser desgastante, você vai enfrentar os mesmos tipos de combates e correr atrás dos mesmos tipos de coletáveis durante um bom tempo.Você pode até dizer: “Mas isso é um objetivo secundário” e eu concordo, porém a campanha principal do jogo é muito curta sozinha, para extrair o máximo dele, você vai ter que fazer essas atividades secundárias, fazer algumas é muito legal, mas fazer todas é extremamente repetitivo e pode acabar sendo desgastante.

Ghost of Tsushima – 10 New Things We Learned

Ghost of Tsushima fará você viver na pele o que é ser um samurai, mesmo podendo ser repetitivo se não dosado corretamente, você estará experienciando um mundo incrível, que além de bonito e recheado, fará você questionar até mesmo sua moral, seguindo o mesmo molde de TLoU 2, será que vale tudo por vingança? Será que vale a pena deixar pessoas sofrendo pra seguir um código de honra? Enfrente as frotas mongóis, converse com o povo de Tsushima e responda as perguntas por você mesmo neste muito provável candidato a GotY.

Deixe seu Comentário

Este artigo não possui comentários