{Resenha} Legado nos ossos - Olé! Mistério e investigação a lá espanhola! - Hospicio Nerd

INHAIIIIIIIII TUXOS E TUXAS DE MI VIDAAA! POR LO QUE NO ESPERASTE!….. KKKKK

Mama NETFLIX e a lista de filmes espanhóis aumentam a cada dia no streaming mais acessado do mundo. Legado nos ossos, produzido em 2019, estreou na última sexta dia 17 e trouxe uma inovação no conceito de suspense paranormal ao acrescentar a investigação em seu enredo! “Legado en los huesos”, título original, é o segundo filme baseado na trilogia Del Báztan escrita por Dolores Redondo, que dá continuação ao primeiro, que também está a disposição na plataforma com o título “O guardião Invisível (El guardián invisible)” para nosso deleite. Direção de Fernando González Molina e roteiro de Dolores Redondo e Luiso Berdejo é um trabalho que eu considerei muito bem feito, diga-se de passagem a Espanha está arrasando nas suas produções cinematográficas e a nossa amada “Mama” está com um faro aguçado e bons presságios de sucesso. Devo ressaltar que é o tipo de filme que não depende dos outros para funcionar, seu antecedente está ligado á ele assim como o próximo que já está filmado com o título “Oferenda à tempestade” que encerra o trabalho de narração excelente da autora ao deixar bem claro, que apesar de não seguir uma ordem, todas as histórias se completam e satisfazem os telespectadores.

Fonte: Netflix / Divulgação

O elenco, além dos que já estavam no primeiro filme, teve uns acréscimos que deram continuidade ao trabalho de Molina ao dirigí-los nesta fase. Marta Etura que revive Amaia Salazar vem acompanhada de Nene, Susi Sánchez, Leonardo Sbaraglia, Francesc Orella, Elvira Minguez, Pedro Casablanca, Imanol Arias, Carlos Librado, Benn Northover, Itziar Aizpuru, Patricia López Arnaiz, Alicia Sánchez, Álvaro Cervantes, Eduardo Rosa, Arlette Torres, Ana Wargener e Paco Tous, entre outros numa trama que começa bem intrigante pelos excessos de mistério que os personagens montam dentro das cenas dos crimes. A atuação dos espanhóis não segue o padrão frio do cinema norte americano, mas também não se mostram tão empolgantes, são mais calmos, mas com um certo tom de “novela mexicana” nos momentos mais dramáticos. A escolha dos atores foi acertada, mesmo porque temos duas línguas em destaque, o espanhol e o inglês falado entre a inspetora e seu marido inglês James (Northover) trazendo um clima britânico-espânico e enriquecendo o conteúdo dos textos, ou seja, é interessante assistir com o áudio original e sentir essa mudança notória. É um casting extenso e necessário para dar vida as várias situações vividas pela protagonista em suas investigações até culminar numa conclusão inesperada como já podemos prever depois de tantas novidades mostradas pelos filmes estrangeiros pelo nossa “Mama” que nos tem levado a dar muitos “OLÉS” de satisfação.

Fonte: Netflix / Divulgação

A produção conjunta do DeAplaneta, nossa amada Mamãe NETFLIX , PDF Arte e Nostromo foi feita com muito dedicação, dá para se notar ao escolherem Fernando Velázquez para fazer a trilha sonora original do filme. A diversidade nas locações compõe um conjunto de cenários clássicos do país, mostrando a beleza das florestas e das pequenas cidades espanholas. O próprio roteiro de Berdejo nos leva numa viagem de uma sucessão de mortes que ficaram bem produzidas, além dos ambientes hospitalares muito aparentes. O figurino com teor europeu, como no primeiro filme, compõe um casamento harmonioso com a decoração e a rica arte fotográfica empregadas. O ápice do esforço dos envolvidos é representada no momento em que a inspetora enfrente uma enchente para chegar na casa da sua tia de maneira heroica enfrentando a força das águas, dá para notar a riqueza de detalhes que trazem às cenas um realismo muito bem montado para quem assiste. Dá gosto de ver o cinema estrangeiro ganhando mais e mais estrelas pelo seu esforço em retratar muito bem tudo aquilo que é levado para o telespectador, acho que é por isso que a plataforma tem apostado tando nessa caminho.

Fonte: Netflix / Divulgação

A história que traz de volta a inspetora agora já prestes à dar a luz e deixa bem claro a ousadia e inteligência bem trabalhada e desenvolvida pelo diretor, a escritora e a atriz. Diferente do primeiro, o segundo inicia sua história relatando sobre o legado de 1611 onde a bruxaria na região de Navarra traz o drama da perseguição do inquisidor Alonso de Salazar que investiga os eventos estranhos que os moradores cultivam e até mesmo mostra a execução de bruxas na fogueira. Num lance rápido, Amaia surge em cenas rápidas já tendo um filho e retornando ao trabalho para investigar uma série de crimes em Báztan, próximo da sua cidade natal, a qual é obrigada a retornar com sua família e se hospedar na casa da sua tia para descobrir o que está acontecendo. Numa série de crimes hediondos, após deceparem os braços das suas vítimas, os assassinos cometem suicídio e deixam um bilhete apenas com uma palavra escrita: “Tartallo”. Nesse clima e em torno das sucessivas mortes, o longa se desenrola se encaixando em rituais regionais e dando um ar sobrenatural. Além do medo constante, temos também a mãe da inspetora que nos passa um ar de demência macabro e parece estar envolvida com o tal cenário obscuro. E além disso tudo até chegar as suas conclusões, Amaia se vê confusa em meio a uma quantidade enorme de pistas e acontecimentos que acontecem e enchem de detalhes e medo a história que culmina numa enchente dificultando mais ainda a resolução do caso.

Fonte: Netflix / Divulgação

O filme com certeza é um entretenimento de dar gosto de ver, tem uma geniosidade na trama e traz uma visão diferente a ser explorada no mundo policial, acho que isso também é o motivo do sucesso da trilogia da Madame Dolores Redondo. Da forma que foi produzido, o filme traz uma certa independência que se não citarmos, todos que assistem não imaginam que ele faz parte de uma trilogia. Essa é a surpresa e acredito também que foi o intento dos envolvidos nesse projeto, criando uma atmosfera diferente na transição do primeiro para o segundo filme. Como já citei várias vezes nas minhas “Lives” no Blitz Pipoca as sábados com meu partner Thiago Welter, o cinema europeu tem ganhando cada vez mais a minha admiração com obras tanto bem produzidas, quanto dirigidas e interpretadas pelos talentos garbosos que vem acrescentando qualidade à plataforma da NETFLIX, principalmente agora nessa quarentena que o número de assinantes se tornou crescente diariamente. Vale a pena conferir os dois primeiros filmes da trilogia para aguardar o último episódio “Ofrenda a la Tormenta” que tem sua estreia prevista para junho desse ano e descobrir de vez que fim vai ter a inspetora Amaia e sua busca lógica para explicar todos os casos por ela investigados! Enquanto isso vem com a gente e confere todas essas delícias e lembre-se: #FIQUEEMCASA! ADOROOOOOOOO #CHOCOBJS

Deixe seu Comentário

Este artigo não possui comentários