{Resenha} Os Cavaleiros do Zodíaco - Netflix - Hospicio Nerd

Salve, cavaleiros e amazonas de Athena!

Primeiramente, cumpre dizer que sou fã do anime desde os remotos tempos de Manchete, então, a opinião que exprimo aqui não é apenas a de um crítico, mas de um real fã da série.

Dito isto, a adaptação de Os Cavaleiros do Zodíaco para a Netflix já vinha dando o que falar há algum tempo, havia esperança e desconfiança.

Assim, com o lançamento, percebe-se que a nova adaptação não tenciona agradar apenas aos fãs antigos, mas também criar um público novo. Nesse sentido, o anime cumpre bem sua função, conseguindo inovar em alguns temas, sem, no entanto, perder a essência do anime de drama e ação que cativou milhões de pessoas pelo mundo afora.

Imagem relacionada

A animação não é ambiciosa, mas tampouco desleixada, conseguindo belas imagens, principalmente dos cavaleiros de ouro. O roteiro está condensado e corrido, o que é de se esperar quando se espreme 15 episódios, e mais um punhado de informações que são dadas ao longo dos 114 episódios do anime original, em apenas 6 episódios. É uma história apressada, mas o enredo anda razoavelmente bem, sabendo explorar os pontos dramáticos e as lutas.

Os personagens principais estão bem fiéis, tendo suas personalidades extravasadas para fazer a diferença no curto tempo em que têm para aparecer. Seiya, Shiryu, Hyoga, Shun e Ikki são, em essência, os mesmos do anime. Saori também, apesar de amadurecer bem mais depressa do que no anime original.

Mas o elefante branco tem que ser tirado da sala; a mudança de sexo de Shun, antes homem e agora, mulher. A decisão é claramente mercadológica, e apesar de muitos criticarem, a meu ver, depois de superada a questão, você percebe que o anime ainda é fiel ao “core” do personagem, aliás, o fato é mencionado apenas rapidamente no enredo e nada mais é desenvolvido a partir dali, ou seja, é exatamente o mesmo personagem, com apenas a mudança de sexo, então, realmente trata-se apenas de uma questão de superação de pré-conceitos.

Resultado de imagem para netflix cavaleiros do zodíaco 2019

O anime está bem mais leve do que sua versão clássica, tendo excelentes alívios cômicos como a tampa de “Storm Drain”. Outro ponto positivo é a dublagem brasileira que como sempre, está excelente, e teve o bom senso de trazer os dubladores originais, confesso que suei pelos olhos ao ouvir Seiya gritar na voz de Hermes Baroli: ” Me dê sua força Pégaso!” Os cavaleiros de ouro protagonizam momentos épicos onde realmente mostram sua imponência e majestade; a cena com Shaka de Virgem é de arrepiar, e magistralmente idêntica à do mangá.

Um ponto fraco talvez seja nas batalhas, que estão pouco inventivas e a repetição exaustiva da animação dos golpes. Apesar disso, está aceitável e o expectador consegue se divertir. A forma como os cavaleiros enfrentam um exército com armas de fogo também é trivial. Outra bola fora que realmente incomoda, é a ausência de uma trilha sonora condizente. No original, não seria exagero dizer que metade da dramaticidade e clímax dos episódios se devia à trilha, sempre empolgante e marcante, e aqui, ela passa totalmente despercebida.

A história é interrompida no episódio 6, mas tudo dá a entender que os próximos 6 episódios será o arco dos cavaleiros de prata, o que promete lutas mais emocionantes e provavelmente terminará aos pés das Doze Casas.

Cavaleiros do Zodíaco da Netflix tropeça em alguns momentos, mas também brilha em outros, e faz um esforço honesto e louvável para alcançar novos fãs sem desrespeitar os antigos. A meu ver, ao que se propõe, a série mandou bem e rende uma boa promessa.

Deixe seu Comentário

  1. Ewerton SaavedraResponder

    Ou seja; é um lixo. Primeiro aquele filme patético em CGI. Agora isso. Impressionante como eles possuem em mãos um produto que, se não é um primor no mangá original, é um universo e mitologia riquíssimos a ser explorado mas, mesmo assim, cada vez mais eles conseguem desenvolver apenas lixo em cima de lixo em se tratando de Cavaleiros do Zodíaco. A última coisa realmente boa desenvolvida em cima da franquia foi Lost Canvas, que lamentavelmente nem mesmo teve o retorno financeiro esperado e foi cancelado. Mas é um bom exemplo de como, se bem trabalhado, esse universo pode gerar bons frutos. E nem seria tão difícil assim desenvolver algo decente em cima da franquia. Mas simplesmente só produzem lixo.