{Resenha} The Alienist! Entendendo a mente do assassino. - Hospicio Nerd

Hello Peoples!!

Hoje trago a vocês uma resenha voltada a The Alienist (O Alienista), que está disponível na Netflix desde 2018,  com sua primeira temporada extremamente maravilhosa. Venho falar sobre algumas diretrizes, para que vocês conheçam e decidam por si se vale ou não a pena se envolver nessa viagem psicológica e investigativa. Lembrando que, aqui não darei spoiler, só deixarei com o gostinho de quero mais (ou não, depende do seu gosto exclusivamente).

Foto Daniel Brühl

TNT / Divulgação

The Alienist (O Alienista) é uma série de época, norte-americana, baseada no romance homônimo de mesmo nome, de Caleb Carr. Estreou em março de 2018 na TNT e logo em seguida adicionado ao catálogo da Netflix. Produzido por Hossein Amini e E. Max Frye. A série conta com o elenco formado por: Daniel Brühl como Dr. Laszlo Kreizler (Doutor Alienista), Luke Evans como John Schuyler Moore (ilustrador e amigo de Laszlo), Brian Geraghty como Theodore Roosevelt (O comissário), Robert Ray Wisdom como Cyrus Montrose (criado de Laszlo), Douglas Smith como Marcus Isaacson (Judeu sargento-detetive), Matthew Shear como Lucius Isaacson (Irmão gêmeo de Marcus e sargento-detetive), Q’orianka Kilcher como Mary Palmer (empregada de Laszlo), Matt Lintz como Stevie Taggert (Jovem e criado de Laszlo), Dakota Fanning como Sara Howard (Secretaria de Roosevelt), David Wilmot como Capitão Connor (Policial irlandês). Após um corpo mutilado de um Jovem é encontrado, o Alienista, Dr Laszlo Kreizler nota semelhança com uma assassinato envolvendo um antigo paciente.

O drama e o suspense acontece em 1896, onde tudo, era mais difícil de ser investigado e descoberto. Tudo se inicia com uma série de assassinatos envolvendo meninos que se prostituem. O comissário Roosevelt convida Dr. Laszlo e John para investigarem o ocorrido em segredo. Com a ajuda de Sara e dos irmãos Judeus Marcus e Lucius, montam os 5 uma equipe investigativa. Mas como em muitos lugares e na época não seria diferente, eles teriam que fazer tudo em segredo pois a corrupção dentro da polícia queria proteger a alta sociedade.

Foto Daniel Brühl

TNT / Divulgação

A frase de abertura já dá ênfase ao ano decorrente da série: “No século 19, acreditava-se que as pessoas com doenças mentais estavam alienadas de sua verdadeira Natureza. Especialistas que as estudavam eram conhecidos como alienistas.”

A abertura juntamente com a música tema, trás a sensação de horror e medo, como se fossemos assistir algum seriado de terror. Mas entrar na mentes das pessoas não seria uma mundo de pura aflição e dor? A série é uma daquelas que traz uma curiosidade a cada novo episódio despertando o desejo de maratonas toda ela. As dificuldades que Laszlo, John e Sara enfrentam, vão dando dificuldades e emoções. Os mesmos tendo que enfrentar grupos como: religião, Família das vítimas e a polícia. A metodologia usada por Laszlo é completamente amarrado e firmado na psicologia das vítimas do assassino. A forma de  assassinato empregado na série é uma verdadeira tragédia, como os corpos são mutilados. A interpretação dos atores trazem o sentimento de espanto e o horror repassado pelos mesmo, o foco da câmera nos seus olhares e suas reações, trazem o realismo para dentro da gente (de arrepiar de tão bom). A todo momento a série invade a nossa mente, mergulhando no além do “quem matou” e indo em direção do motivo de tal ato, o que nos faz querer saber mais e mais a cada nova descoberta.

“É preciso ver além das pistas.”

Foto Daniel Brühl, Luke Evans

TNT / Divulgação

Interpretações impecáveis, que fez a série ser indicada ao Emmy (Não estão para brincadeiras), um cenário fiel a época, um vocabulário maravilhoso. Mas por muitas vezes a série era bem escura e por vezes não era fácil identificar com clareza algumas coisas, talvez tenha sido de propósito afinal, na época não tinha muita iluminação, mas eles pecaram um pouco pois algumas vezes era difícil (não impossível) a identificação de alguns. Contudo, se seguiu com uma narrativa espetacular.

“Acredito que todos possuem o material necessário para cometer esses atos horríveis basta a combinação certa ou errada de eventos e esse material se torna inflamável.” Dr. Laszlo

Agora sem mais papo furado, vai na maravilhosa Netflix, vai pegar sua pipoca, seu bloquinho de notas e vem neste suspense psicológico, pegar esse assassino, afinal: “Homens, bons ou maus, não seguem o que não respeitam”

Deixe seu Comentário

Este artigo não possui comentários