{Resenha} Travelers - Mas afinal qual o grande plano? - Hospicio Nerd

Eita!

Eu sei que assim como eu, vocês devem estar devastados com o fim de Dark, mas como sempre eu não deixo meus queridos hospicianos na mão, e por isso sou melhor que papai noel na época do natal e então trago-lhes boas novas.

Para você que gosta de séries com temática de viagens no tempo (eu amo) tenho a série ideal pra você matar a saudade e a vontade, uma obra instigante com uma trama muito bem elaborada, assim lhes apresento: TRAVELERS.

Travelers é uma série de ficção científica canadense-americana que foi criada por Brad Wright, sendo estrelada por Eric McCormack (o ator mais conhecido já que participou de Will e Grace), MacKenzie Porter, Jared Abrahamson, Nesta Cooper, Reilly Dolman e também Patrick Gilmore. A série foi uma coprodução internacional entre a Netflix e o canal especializado canadense Showcase mas somente nas duas primeiras temporadas, pois já na terceira temporada a Netflix assumiu como única empresa de produção e distribuidor mundial exclusivo.

netflix
Fonte: Netflix/Divulgação

Na série temos um futuro pós-apocalíptico (até aqui nenhuma novidade né amores), onde milhares de agentes especiais são encarregados de impedir o colapso da sociedade. Tais agentes são conhecidos como ‘’viajantes’’, mas o interessante é que não são seus corpos a serem enviados no tempo mas sim suas consciências, onde são transferidas para o corpo dos indivíduos atuais que, estavam prestes a morrer, para assim minimizar o impacto inesperado na linha do tempo. Assim o viajante passa a viver a vida do seu ‘’hospedeiro’’, mas ao mesmo tempo, tem que executar suas tarefas e ordens vindas do futuro.
Na primeira temporada somos apresentados ao grupo liderado pelo viajante 3468 (todos são identificados apenas por números), que tem sua consciência transplantada do futuro para o corpo do agente Grant MacLaren, do FBI, pouco antes de ele historicamente morrer. MacLaren deve rapidamente reunir seu time formado por Marcy, Carly, Trevor e Philip – todos eles consciências transferidas do futuro para hospedeiros no século XXI poucos segundos antes de suas mortes originais. Cada membro do grupo é um especialista – MacLaren é um líder tático militar, Marcy uma médica, Carly uma soldado, Trevor um engenheiro e Philip um historiador.
A missão do grupo é impedir a queda de um meteoro que destruirá boa parte do planeta, levando a humanidade a entrar em guerra pelos recursos naturais restantes e aniquilando o resto da civilização. Nesta temporada somos ainda apresentados há outros Viajantes já infiltrados no século XXI e descobrimos que tal missão vem sendo planejada há anos.
As missões dos viajantes são ditadas pelo Diretor, que mais à frente descobrimos se tratar de uma inteligência artificial que no futuro monitora a linha do tempo, visando salvar o mundo de uma série de eventos catastróficos.
O interessante é que todos os personagens são bastante explorados dentro do arco do Grande Plano (que é como sempre salvar a humanidade), e ainda é explorado como eles devem lidar com a história pessoal do hospedeiro anterior à sua morte natural, pois os viajantes devem continuar suas vidas fingindo ser a pessoa que sua consciência assumiu e o fato de ter que esconder essa informação para que ninguém desconfie que há algo estranho acontecendo, torna o fato de acompanharmos o desenvolvimento da missão ainda mais interessante e intrigante.

netflix
Fonte: Netflix/Divulgação

Já na segunda temporada nos deparamos com um personagem novo: O Viajante 001, aquele que foi o primeiro do programa a vir ao passado para dar início à missão. Nos é apresentado que a primeira viagem se dá minutos antes do 11 de setembro. A temporada, então, começa a demonstrar uma organização clara. A série decide apresentar o novo vilão mostrando que ele quebrou todos os protocolos possíveis e se tornou um bug do sistema. Ressalvo aqui que todos os viajantes devem se comportar de acordo com certos protocolos para proteger o cronograma. Por isso acompanhamos os dilemas que todos enfrentam de não quebrar protocolos.
Um fato muito bem explorado nessa 2ª temporada foi a reconstrução da mente de Marcy e também sua relação com David (um dos melhores personagens da série) e todas as memórias que ela perdeu.
O final da temporada foi bem surpreendente já que coloca o 001 como um dos mais importantes personagens da série, mas ainda deixa uma sensação de que haverá muito a ser explicado na próxima temporada.
A conclusão até aqui é que as primeiras temporadas foram bem movimentadas, cheias de reviravoltas que nos fazem vibrar e querer saber o final.

netflix
Fonte: Netflix/Divulgação

A terceira temporada (e última infelizmente) começa onde a anterior termina, acompanhamos uma imensa tentativa de aparar arestas, desfazer certos erros e agora temos um novo desafio – A Facção, que se trata de um grupo de revoltosos (novidade? Nem tanto né) que, no futuro, lutam contra o status quo que instaurou o programa de viajantes. Essa Facção tem como objetivo interferir com ‘’O Grande Plano’’, o que leva o grupo de MacLaren lidar com o limite de suas capacidades.
Meu destaque favorito nessa temporada foi o maior espaço dado a David Mailer, o carismático namorado de Marcy, já que ele se torna um dos pontos chave de toda a temporada.
A conclusão que chego é que apesar de se tratar de viajem no tempo (um tema até recorrente em filmes e séries) Travelers é uma série muito interessante pois aqui o enredo é utilizado de uma forma diferente é uma história bem dramática e com muita criatividade.

netflix
Fonte: Netflix/Divulgação

A season finale deixa ares de final de série e conclui os eventos de forma aceitável já que acaba com as pontas soltas e nos mostra que foi a primeira tentativa de colocar a missão em prática, porém nos deixa com aquela pulguinha atrás da orelha especulando “será que vem alguma coisa depois?” mas já adianto a vocês não teremos nada depois, este realmente é o final, pois a Netflix não renovou a série para uma quarta temporada.

Ainda sim vale a pena assistir, acho que até mesmo quem não curte ficção cientifica com certeza, terá curiosidade de ver.
Deixo vocês com a seguinte reflexão da série que podemos levar para os dias de hoje: “Nós devemos proteger o futuro da humanidade. Independentemente das nossas convicções políticas. Independentemente da nossa religião. A cor da nossa pele. Independentemente de custo pessoal.”

Estão esperando o que? Corram logo para a frente da Tv e comecem a maratona!

Deixe seu Comentário

Este artigo não possui comentários