Venom: Tempo de Carnificina - A Galhofa Simbiótica! || Resenha - Hospicio Nerd

Eita!

Sim meus caros simbiontes, hoje vamos conversar um pouco sobre a sequência do filme de 2018. Lembrando desde já que tudo o que está escrito aqui, reflete apenas a MINHA OPINIÃO! Não estamos aqui para ditar o que é bom e o que não é, somente trazer nossas sensações, reflexões e ranço que sentimos ao assistir algo. E deixando claro também, que NÃO TEM SPOILER AQUI! Então pode ler sem medo. Tome seu remédio contra parasitas e bora resenhar!!

Venom 2 || Resenha

Copyright 2021 Sony Pictures Entertainment

Essas adaptações…

Não é segredo que o filme de 2018 pegou todos os fãs dos quadrinhos do aranha de surpresa. Não pelo fato do filme em si, mas pela galhofa que foi apresentada. Particularmente não gostei nem um pouco quando assisti pela primeira vez, isso pelo fato de sempre ter sido muito fã dos quadrinhos. Porém, na segunda e terceira vezes que assisti, entendi que mesmo tentando se levar a sério, Venom não passa de uma versão cômica do simbionte, quase como uma paródia do personagem nos quadrinhos. Em uma mídia diferente isso é válido, por mais que nós, fãs mais chatonildos fiquemos com um ou os dois pés atrás. E a sequência não fica atrás.

E essa trama aí?

Venom 2, se passa exatamente um ano após os acontecimentos do primeiro. E ao contrário do outro, esse está mais entregue ao humor, não tentando se levar tão a sério assim. A parceria de Venom e Brock é divertidamente estranha e despretensiosa. É justo dizer que a relação dos dois é que segura e leva o filme nas costas. E temos o Carnificina, o “filho” mais sanguinário de Venom, que aqui está no corpo de Cletus Kasady, um psicopata de marca maior. Os fãs dos quadrinhos sem dúvidas vão chiar muito com o que foi apresentado.

Carnificina passa bem longe de ser o simbionte sanguinário e sinistro que conhecemos, e mais uma vez caímos no limbo da adaptação. Talvez revendo pela segunda ou terceira vez, você consiga esquecer o que já leu e abraçar a galhofa junto com eles. Não sei se a duração do filme foi uma escolha certa, alguns personagens vieram só para dar aquela famosa ponta, como por exemplo, Anne Weying, ex mulher de Brock, que é vivida pela Michelle Williams, que veio só para dar aquela carimbada no elenco, assim como a vilã Shriek, que só apareceu para ser foco do afeto de Cletus, dando aquele toque de casal fatal sabe?

Venom 2 || Hospício Nerd

Copyright 2021 Sony Pictures Entertainment

No fim das contas…

A batalha entre Venom e Carnificina não chegou nem perto de ser algo épico, mas nem perto mesmo! A falta de sangue também foi um baita problema, pelo menos ao meu ver. As cenas de ação são um problema desde o primeiro longa, e o efeito visual dos dois… bom, lembram da Amoeba? Pois é, ficou bem parecido! A direção de Andy Serkis conseguiu dar uma boa balanceada no clima do filme, mas nada que se destaque. Tom Hardy parece ter se divertido como nunca, acho que nem em Peaky Blinders eu o vi tão solto, e ter sido um dos roteiristas pode ter algo relacionado com isso. Woody Harrelson foi bem desperdiçado no filme, o roteiro não o favoreceu em nada. Mas ele consegue trazer um pouco da loucura de Kasady, mas bem lá no fundo sabe?

E tivemos a cena pós créditos, que aparentemente veio para unificar universos e talvez justificar a leveza aplicada ao filme. Agora é esperar para descobrir o que vem por aí nê?

 

Hospíciano enviado para a cabine de Venom: Maxxy Milles!

Deixe seu Comentário

Este artigo não possui comentários